:: Vida Diária :: Jornalismo que completa o seu dia!

Lajedão, 17 de outubro: Devido à falta de organização, falta de informação, casos absurdos de desumanidade e suspeita de fraude, 15 candidatos da cidade de Lajedão pedem a impugnação da eleição para o Conselho Tutelar, ocorrida no dia 06 de outubro deste ano. Para muitos, foi uma balbúrdia total, no dia da votação, a maioria dos eleitores não conseguiram exercer o seu direito ao voto, pois havia apenas uma única urna eletrônica para atender mais de 3 mil eleitores aptos.

Segundo um dos candidatos, Jojó Railander, “eu sou um dos candidatos que entrou com recurso a favor da impugnação da eleição do Conselho Tutelar de Lajedão. Não foi uma falta de respeito somente conosco, mas com os eleitores. Foram faladas mentiras sobre algumas coisas do conselho para os candidatos, em que os mesmos acabaram divulgando. No dia foram totalmente mentirosos quanto às informações, sem falar da disponibilidade de apenas uma urna para atender cerca de 3 mil eleitores, tendo idosos com mais de 80 anos ficando mais de 04 horas na fila e muito calor, um fato totalmente desumano. Mais de 1.500 eleitores ficaram sem votar e eles querem o seu direito respeitado”, disse o candidato.

 

De acordo com Natália Alves Muniz, também candidata, “foi uma vergonha com nós seres humanos (candidatos e eleitores), teve eleitor que chegou 8h da manhã e saiu às 16h, sem almoçar, tomar um café, enfim, sem se alimentar. Uma vergonha, uma desumanidade, nunca vi uma situação dessa aqui na região. E, também não tem como uma urna só para ser votado em 05 candidatos, o cálculo não bate, por isso, tem que ser averiguado, é lamentável”, disse ela.

A comissão eleitoral do CMDCA, por várias vezes, fez reuniões com os candidatos e passou aos mesmos quais eleitores poderiam votar sem a biometria e isso foi passado para todos, principalmente, para a população. “Só que no dia da votação, foi totalmente ao contrário, disseram que só poderia votar quem fez o cadastro da biometria até o mês de junho, quem fez depois não teve direito ao voto, provocando um verdadeiro conflito, já que as informações passadas não relatavam esse importante detalhe. Em outro relato, a resolução do CMDCA diz que a comissão eleitoral não pode ser composta por nenhum parentesco, entretanto, a coordenadora da comissão é cunhada de uma candidata eleita em 2º lugar, fora indícios de boca de urna e suposta compra de votos”.”, disse outro candidato, Jenner.

 

Uma nota foi emitida pela Mara de Jesus Santos, presidente do CMDCA de Lajedão, onde informa que os transtornos que aconteceram foi devido ter apenas uma urna. Mas que era determinação da Justiça Eleitoral. “A Comissão Eleitoral esclarece ainda que, juntamente com Ministério Público,Prefeitura Municipal e Secretaria de Assistência Social trabalharam incansavelmente desde o principio, para garantir maior transparência a todo o processo seletivo... cumprindo assim, a determinades da Justiça Eleitoral, como acontece nas eleições Municipais e Nacional”. Está na nota.

Tudo deverá ser apurado, pois uma nação como a nossa deve sempre primar pela ética e democracia.

 

Por: Vida Diária

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notácia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, entre outros, podem ser excluídos sem prévio aviso. Caso haja necessidade, também impediremos de comentar novamente neste site os perfis que tiveram comentários excluídos por qualquer motivo. Comentários com links serão sumariamente excluídos.

MercadoSul
CNA
carnesSP
Exata
Lekao
GIL Academia