:: Vida Diária :: Jornalismo que completa o seu dia!

Vídeo: “ACE Presente” esteve na Bazar Fashion mostrando as novidades e tendências da nova coleção outono-inverno 2019

Teixeira de Freitas: O “ACE Presente” esteve na  Bazar Fashion com a empresária Daniela Boamorte. Exuberante, com marcas masculinas e femininas e imponente, a campanha Outono-Inverno 2019  da Bazar Fashion traz um universo de refinamento, em sintonia com a  essência das tendências que vão reinar nesta estação do frio. A coleção Outono-Inverno está repleta de exuberância, ousadia e estilo em seus modelos!

 

Para melhor atender seus clientes, a Bazar Fashion aderiu ao Card descontos ACE e está dando uma promoção incrivel, exclusivamente para os associados. A loja está localizada na rua Prudente de Moraes, 33 - Centro, Teixeira de Freitas.

Siga no Instagram @bazarfashiontxba e acompanhe tudo que é tendência no mundo da moda.

 

\Por: Vida Diária / ACE

I Chá Beneficente da AFAPED será realizado em maio; participe desse grande evento e ajude

Teixeira de Freitas, 25 de abril: A Associação de Familiares e Amigos da Pessoa com Deficiência (AFAPED) realizará o seu I Chá Beneficente em Teixeira de Freitas. A ideia surgiu através de um grupo de amigas que se sensibilizou com a causa, pois, pelo trabalho que a entidade exerce na sociedade, necessita de muito apoio para que permaneça firme e forte, atuando e fazendo o diferencial na vida de muitas famílias. O evento acontecerá no dia 04 de maio, às 17h, no prédio da Autovia, 2º andar (Av. Pres. Getúlio Vargas, 3391).

O projeto também visa colaborar com parte dos recursos para a construção do espaço físico da AFAPED.

A Associação está em exercício há mais de dois anos, se caracteriza por ser uma entidade sem fins lucrativos e tem o objetivo de conscientizar a visão da sociedade e da administração pública, a qual impede ou dificulta o desenvolvimento e a inserção das pessoas com deficiência na vida econômica, cultural, esportiva e social.

Estima-se mais de 100 pessoas presentes neste evento, o qual é muito nobre e transformará (ou facilitará) diversas realidades. Dentre comes e bebes, a mesa será composta de inúmeras opções de salgados, doces, sucos, água de coco, chocolate quente e muito mais. Mas, claro, o principal do evento será o delicioso chá.

Além disso, terá também cantinho para as crianças, com direito a muitas atividades divertidas, sorteios de brindes e muito mais.

Venha fazer parte desse projeto! “Como as aves, as pessoas são diferentes em seus voos, mas iguais no direito de voar”, Judite Herta.

Para adquirir o ingresso pode ligar no (73)9 9985-3375.

 

 Por: Vida Diária / Robson Dias

Um olhar empático sobre a maternagem com Mariana Pêgo

Hoje vim aqui com um propósito, talvez até um pouco audacioso a princípio, mas necessário, válido e (arrisco dizer) urgente: fazer você repensar sobre a maternidade, sobre os sentimentos e desejos mais profundos de uma mãe.

Não estou me referindo a ficar discorrendo sob a mesma ótica já tão explorada de que ‘ser mãe é padecer no paraíso’, de que as ‘mães são heroínas’ e de que a ‘maternidade é uma dádiva’.

A maternidade é complexa, é profunda. Não é possível analisá-la de forma tão rasa. Quando nos tornamos "mães", começamos a entender que isso soa tão superficial que até paramos de usar isso em nossas falas.

Ter filhos é uma experiência que nos transforma em todos os sentidos. Muda a ordem de importância das coisas, nos faz rever prioridades, nos ensina a abrir mão de certas posturas e valores e a lutar com unhas e dentes pelo bem estar da nossa cria.

Ter filhos na sociedade em que a gente vive é literalmente uma forma de testar os limites de um ser humano.

Hoje a mãe moderna precisa saber de tudo. Precisa fazer o enxoval perfeito. Precisa ter parto humanizado. Precisa amamentar até dois anos no mínimo. Precisa parar de trabalhar pra ficar com o filho. Precisa trabalhar dobrado pra dar conta do filho. Precisa trabalhar como se não tivesse filhos e precisa ser mãe como se não tivesse que trabalhar. Precisa dar atenção para o parceiro. Precisa dar conta da casa.

Precisa sair com as amigas. Precisa fazer atividade física. Precisa lembrar de atualizar o currículo profissional, afinal, não se pode parar no tempo por conta da maternidade. Precisa saber um pouco sobre psicologia infantil, sobre pedagogia, sobre primeiros socorros, sobre quase tudo. Senão ela não é mãe suficiente, pois, uma mãe que se preze precisa viver em função de outra vida (ou de outras vidas).

Além do mais.... ‘‘a mulher nasceu para cuidar’’ (...). Só esqueceram de fazer surgir alguém para cuidar dela.

Quanto peso ainda será colocado sobre esses braços que já estão ocupados com um bebê?

Tanto se fala hoje em dia sobre empatia, sobre respeitar o olhar do outro, suas vivências e suas experiências de vida. E todos nós temos uma ideia pré-concebida sobre maternar.

Todos mesmo, até os que nunca pararam pra pensar nisso tem em seu inconsciente uma imagem sobre o que é ser mãe.

O grande dilema acontece quando nós, mães, acreditamos que para que façamos jus ao título de ‘boa mãe’, precisamos nos encaixar nessa imagem construída, cristalizada e imaculada de que mãe de verdade acolhe sempre, ama sempre, tem paciência sempre, sempre tem solução e resposta pra tudo. Até não termos mais.

Há um frase que eu acredito resumir bem o que vivenciamos na maternidade atualmente (que inclusive deu nome a um livro): “Eu era uma ótima mãe até ter filhos”. O encanto de repente acaba. E esse choque de realidade nos mantém durante muitos meses ou anos presas a um puerpério que parece infinito.

Um puerpério de valores, de indagações, de angústias, de tentativas, de renascimento. E agora? Quem acolhe essa mãe? Quem se arrisca a entendê-la e supri-la sob o ponto de vista dela, sob seus desejos e necessidades?

As mães estão adoecendo.

Elas precisam de ajuda, de suporte, de empatia de verdade. Acolher, escutar, amparar, envolver, respeitar, empoderar: esse é o papel da sociedade, da rede de apoio, do mundo para com as mães.

Hoje as mães não são heroínas simplesmente porque escolheram não ser. Conquistaram liberdades várias e não estão mais presas a tais estereótipos. Essas mães não só não querem ser heroínas, como também sabem que não precisam ser.

 

. . . . . . . . . . . . .

Mariana Ferreira Pêgo

Consultora de Amamentação

Educadora Perinatal

Fonoaudióloga

Idealizadora do Oficio Materno Consultoria

Instagram: @oficiomaterno_consultoria

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Contato/whatsapp: 73 99986 0108

Prévia da inflação acelera para 0,72% em abril, a maior para o mês desde 2015

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, acelerou para 0,72% em abril, pressionado principalmente pela alta dos preços de combustíveis e alimentos, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Trata-se da maior variação para um mês de abril desde 2015, quando o índice foi de 1,07%. Essa é também a taxa mais alta desde junho de 2018 (1,11%), quando o índice foi impactado pela greve dos caminhoneiros.

Pesquisa da agência Reuters com economistas estimava alta de 0,69% para o período.

No ano, o IPCA-15 acumula alta de 1,91% e, em 12 meses, o índice ficou em 4,71%, acima dos 4,18% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores e acima da meta central do governo para a inflação de 2019.

 

 

Gasolina e tomate puxam alta

Segundo o IBGE, os preços do grupo transportes tiveram a maior variação no período (1,31%), exercendo o maior impacto sobre o IPCA-15, de 0,24 ponto percentual (p.p.). A segunda maior pressão sobre o índice foi do grupo alimentação e bebidas, com uma alta média de 0,92% em abril e impacto de 0,23 ponto percentual.

A maior pressão individual no mês foi da gasolina, que subiu 3,22%, respondendo sozinha por 0,14 p.p. do IPCA-15 de abril. Em 12 meses, a alta da gasolina chega a 3,91%.

O etanol subiu 2,74% e diesel teve alta de 1,06%. Já as passagens aéreas subiram 5,54%, embora tenham desacelerado em relação ao mês anterior, quando a alta foi de 7,54%.

Entre os alimentos, o destaque de alta ficou com o tomate (27,84%), segunda maior contribuição individual no índice do mês, com 0,07 ponto percentual. Em 12 meses, a alta do tomate chega a 45,91%.

Outros preços que pesaram na inflação de abril foram cebola (13,44%), batata-inglesa (25,59%), frutas (3,36%), carnes (1,55%) e alimentação no domicílio (1,43%).

 

Veja as variações dos 9 grupos pesquisados:

-Alimentação e bebidas: 0,92%

-Habitação: 0,36%

-Artigos de residência: 0,41%

-Vestuário: 0,57%

-Transportes: 1,31%

-Saúde e cuidados pessoais: 1,13%

-Despesas pessoais: 0,12%

-Educação: 0,06%

-Comunicação: -0,05%

 

Por: Vida Diária / G1

Alcobaça vai realizar mais um mutirão do glaucoma

Alcobaça: A ação será realizada em parceria com a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab). A Prefeitura de Alcobaça, através de Secretaria Municipal de Saúde, atenderá pacientes da cidade no Mutirão de Glaucoma. O mutirão acontecerá dia 09 de Maio, quinta-feira, a partir das 08h, na Estratégia Saúde da Família (ESF) 08.

O Glaucoma é uma doença que atinge a visão e o diagnóstico é indicado para pessoas com idade acima de 40 anos e, preferencialmente, para pacientes portadores de diabetes e hipertensão.

Estão previstos atendimentos de aproximadamente 350 pessoas, que deverão comparecer portando Cartão do Sistema Único de Saúde (SUS), RG e Comprovante de Residência. Pacientes da Zona Rural terão prioridade pela manhã, enquanto os da Sede serão atendidos a partir das 10h30m.

 

Por: Vida Diária / Ascom